Buscar
  • Rafael Niess

Um papo sobre EGO

Hoje resolvi falar sobre fama, sobre ego e sobre o próprio umbigo. No caso, não o meu. O de um fotógrafo que se considera aquele último gás da coca gelada, daquela última [coca] que tinha sobrado na geladeira do boteco de interior. Tô falando daquele fotógrafo que depois de clicar uns dois famosos mais ou menos, achou que era melhor do que eu, do que você, do que vários outros profissionais que ralam, estudam e dão o melhor de si para o evento de duas pessoas, popularmente conhecidos como noivx e noivx, aquelas duas pessoas que estão realizando o melhor dia de suas vidas: estão casando!!

Pois é. Mas este ser iluminado e abençoado cheio de talento, melhor do que eu e do que você, não trabalha em equipe. Talvez até trabalhe, desde que a equipe seja subalterna à dele.

Explico: me deparei pela primeira vez com a situação desagradável de ter um fotógrafo tentando impedir a contratação da minha empresa para fazer o vídeo do casamento. Explico mais ainda: o fotógrafo-desejo da noiva, se recusa a trabalhar se houver equipe de vídeo no evento.  Aliás, ele agora também oferece o serviço e tá tudo certo se: 1) contratar o vídeo dele; ou 2) não contratar vídeo. Sim, é bem isso. Na verdade, se a empresa de vídeo (que não seja a dele) concordar em não fazer nenhuma foto - nem aquele clique maroto de celular que fazemos às vezes pra mostrar o cenário, não divulgar nenhum frame e se adequar às regras dele durante o casamento (?), os noivos podem contratar!! Esse cenário triste é real: atendi uma noiva incrível, a conexão rolou logo de cara e talvez nós teríamos fechado contrato. Talvez sim, talvez não. Há 'N' coisas que são decisivas nesta hora. Além da sintonia, respeito, empatia, conexão, o casal precisa avaliar preço, resultado, capacidade de pagamento, condições, formas de entrega. Recebo pedidos de orçamento para casamento todos os dias e muitas vezes não fecho contrato. Na maioria das vezes não fecho contrato. E tá tudo certo!! Tem tanta empresa incrível no mercado, tem produtoras com serviços tão diferentes, e tem pra todos os bolsos também. "Perder" um cliente não me preocupa nada. Mas doeu no fundo da alma entender que ainda existe no mercado um profissional que se ache mais importante do que o casal. Trabalhamos para quem nos contrata. Não importa se nomeamos nosso trabalho de registro ou arte; mas sim que em um casamento ninguém importa mais do que quem está casando. Talvez os meus valores estejam errados, mas NUNCA vou gastar a minha energia para impedir alguém de trabalhar. Vou guardá-la para, no dia do casamento, trabalhar com carinho, coma atenção, em prol do melhor resultado para todos. O fotógrafo se recusa a trabalhar com uma equipe de vídeo. Imagina se as equipes de vídeo resolverem fazer o mesmo, se as assessoras trabalharem só com empresas A ou B, se o estilista não desenhar o vestido caso o fotógrafo seja o Y ou o X, se o DJ não tocar em determinado clube ou se a casa de festas não permitir divulgação de fotos do espaço. Parece absurdo né?! Pois é. Eu também achei absurdo o casal não ter a possibilidade de escolha - sim, eles têm a opção de desistir deste fotógrafo, mas ele é o desejo da noiva, lembra? Não estou aqui para questionar isso. Tô aqui apenas para dizer: não seja como este profissional! Não acredito que por mais famosos que esse fotógrafo tenha clicado (sejam dois, três ou 50) ele seja um bom profissional - e muito menos um bom ser humano. Pra mim, pareceu apenas um fotógrafo estrelinha, que acredita que seu sucesso é superior a tudo e todos, ou tem medo que um frame de vídeo seja superior à foto que ele clicou.

Agradeço que quase 100% dos fotógrafos que topamos até hoje sejam incríveis, acessíveis, e desejem um resultado espetacular para o casal, sejam eles quem forem (na maioria das vezes queridos anônimos buscando uma vida feliz!). #paz, Vivi =)

0 visualização

@2019 por Metade da Laranja